Avastin e cegueira

Vocês estão a par do caso de 6 pacientes em Portugal ( Hospital de Stª Maria) que ficaram cegos, devido ao uso do fármaco "Avastin" ?
Sabiam que é produzido pelos laboratórios Roche ? ( os mesmos que produzem o Tamiflu )
.

E mesmo assim, ainda há quem queria tomar tamiflu...

8 comentários:

The Truth disse...

sempre achei que os químicos que vendem nas farmácias só servem para nos pôr mais doentes... químicos são uma valente merda... viva os produtos naturais... no entanto há excepções claro.... há uns poucos químicos que se calhar até ajudam... poucos... mt poucos... mas há.

Deluchi disse...

desculpa sr Silvio mas o avastin nunca foi feito para tratamentos oftamologicos e digo isto como medico, mas tambem lhe digo que no tratamento destes doentes nao havia alternativa porque o medicamento adequado a esse tratamento em diabeticos ainda nao foi aprovado pelas entidades competentes.

Tecido Humano disse...

essa eh nova pra mim, mas tambem nao vejo mts noticias...

R.O disse...

Olá Deluchi, então eles usaram ,nesse Hospital, o fármaco para fins oftalmológicos, erróneamente, foi erro médico :(

Mas quase todos esses fármacos têm efeitos negativos, quase todos.
Por exemplo xanax (calmante) já provocou tendências suicidas, psicoses, causa dependência, risco de enfarte, etc

The Truth disse...

lol... mas há algum químico que não dê efeitos colaterais??? EU ACHO QUE NEM UM!!!!

Dj_honorio disse...

Boas

Como "quase" farmacêutico, penso que posso tentar explicar porque TODOS os medicamentos têm efeitos colaterais.

Primeiramente vou clarificar a distinção entre fármaco ( como molécula, principio activo do medicamento, o respectivo quimico ) e medicamento ( fármaco + outras substancias que são necessárias para finalizar a forma farmaceutica, e garantir a qualidade do fármaco).

Em investigação, a molécula é desenhada de modo a interagir com um receptor quimico no nosso organismo, sendo que teoricamente todo este processo possui uma especificidade de tal modo elevada que essa mesma molécula so vai interagir com o receptor alvo e quase nunca ocorrem reacçoes quimicas com outros componentes do organismo.

Na prática, isto não acontece e o motivo é relativamente simples. Apesar de na investigação se ter descoberta uma molécula perfeita, industrialmente é sempre impossivel sintetisá-la. Para chegar a molécula final, é geralmente necessário submeter as materias primas a um elevado numero de reacções quimicas ordenadas e estritamente controladas a nivel de tempo, temperatura entre outros factores. Logicamente no final de um processo tão complexo obtemos a molécula que pretendiamos inicialmente, no entanto obtemos também um elevado numero de impurezas que hoje em dia até são facilmente separaveis, o que nos leva a obter um produto com niveis de pureza elevadissimos.

O problema surge na molécula que obtemos. As reacções utilizadas na sintese da molécula não são 100% previsiveis originando moleculas em tudo semelhantes ao que pretendiamos obter, no entanto como devem calcular, basta um átomo ligeiramente desviado ou um grupo funcional no sitio errado da molécula, e o fármaco já não vai actuar onde devia. Estes compostos semelhantes são denominados de enantiómeros, são isómeros uns dos outros e como tal, quase impossiveis de separar.

Como tal, o principio activo de um medicamento nunca é somente uma molécula, mas uma mistura composta pela molécula que vem escrita na caixa, e moléculas "parecidas" com a que vem escrita na caixa, se é que me compreendem.

No entanto o processo de purificação de fármacos está a evoluir bastante a olhos vistos, tanto que hoje em dia a maioria dos fármacos dos medicamentos são compostos 75% pela molécula pretendida e somente os restantes 25% são moléculas parecidas.

São esses 25% que são responsaveis pelos efeitos secundarios que são efectivamente observáveis nalguns casos.

Admito que possivelmente mais poderia ser feito por parte da industria farmaceutica para eliminar estes 25% e, penso que se não o fazem é pura e simplesmente porque o processo de purificação torna o farmaco menos lucrativo.

Se assim for, resta-me dizer que é triste viver num mundo em que a saúde do ser humano é menos importante que o dinheiro. Até porque a prova viva disso é encontrar medicamentos cuja o preço de dose unitária ronda os 1000 euros (como é o caso da maioria das quimioterapias). Está certo que os custos de investigação sao enormes e têm que ser pagos, mas não sei ate que ponto isso acaba por se tornar exploração dos utentes e do estado, que comparticipa a maioria dos medicamentos.

Enfim, resta pedir desculpa pela "lição" de quimica organica e farmacocinetica. Afirmo que é extremamente complicado explicar todos estes processos sem utilizar grandes termos cientificos, mas pronto. Qualquer duvida, reply, que eu passo frequentemente por este blog =)

Cupms

R.O disse...

caro dj_Honorio,

gostei da sua explicação,
e voce tem razão quando diz que farmacêuticas só visam o lucro.

mas acho que não é apenas isso, eles escondem os efeitos secundários porque querem é vender o medicamento. e mesmo quando há mortes eles dizem sempre «é um número pouco significativo, em 10 mil casos somente morreram 5 a 9 pessoas, etc»
falam só em números, nunca falam em vidas, falam em números, e geralmente estatísticas manipuladas.

e há substãncias cancerígenas também em medicamentos..
eles dizem que é um "mal menor" porque o risco de morte é reduzido, etc, faz mais bem do que mal...etc.

R.O disse...

e os medicamentos genéricos? (sem marca famosa), porque ficam tão baratos? Não acredito que seja somente por não terem marca famosa..
pois mesmo sem marca, eles custam dinheiro a fabricar e as farmácias querem lucro, não iriam vender genéricos a preços reduzidos e ter lucro quase nulo

 


Realidade Oculta -