O que o FMI fez no Passado em alguns Países

Portugal já faliu várias vezes e conhece bem o FMI

Portugal também já faliu por sete vezes. Em 1891, a crise foi desencadeada com a falência de dois bancos importantes (o Banco do Povo e o Banco Lusitano). D. Carlos nomeou na altura José Dias Ferreira, bisavô de Manuela Ferreira Leite, para liderar o Governo.
Também na altura a função pública sofreu na pele o aperto do cinto: os salários caíram 20%. Portugal ficou 10 anos sem conseguir financiamento externo e um dos primeiros cortes foi nas obras públicas (na altura na construção das vias férreas).

Em 1976 a falência voltou a estar iminente. Mário Soares, na altura à frente dos destinos do país, pediu dinheiro emprestado à Alemanha. Em vez de uma transferência bancária, recebeu um avião a meio da noite.

Na década de 80, viu-se forçado a negociar um empréstimo com o FMI. Mais uma vez liderado por Mário Soares e Mota Pinto, e com Ernâni Lopes como ministro das Finanças, os portugueses tiveram de enfrentar uma forte desvalorização do escudo, o disparo da inflação para quase 30%, o aumento dos impostos e o crescimento do desemprego.

O exemplo da Argentina : 

O caso da Argentina tem quase 10 anos e é dos mais negros.
A intervenção do FMI foi um fracasso. O país seguiu as recomendações do Fundo (cortes orçamentais e aumentos de impostos) e com isso foi-se afundando.
No final de 2001, as coisas pioraram exponencialmente quando o FMI negou um novo financiamento ao país. À revolta social juntou-se a queda do Governo e a bancarrota.
Na altura os argentinos deixaram as suas casas com todo o seu dinheiro e foram depositá-lo nos bancos do Uruguai, o paraíso fiscal na América Latina.

O governo congelou o acesso às contas bancárias, limitando os levantamentos a cerca de 200 euros por pessoa por semana. Sem dinheiro, começou a violência nas ruas, a pobreza duplicou, atingindo quase metade da população e a fome espalhou-se. O Governo parou de emitir passaportes porque não tinha dinheiro para os imprimir.


A Grécia é o caso mais recente e o mais caro.
O valor que os países europeus e o FMI acordaram emprestar é o mais elevado jamais aplicado para salvar um país. O Governo cortou os subsídios de férias e Natal à função pública e pensionistas, a idade da reforma aumentou e os impostos também, sobretudo para bens supérfluos como cigarros, álcool ou jóias.
A Grécia também não é uma estreante nestas andanças: em 1826 foi à falência e ficou sem crédito internacional por mais de meio século.


A Islândia foi o primeiro país a falir com a crise financeira recente. Com a moeda local, a krona, a cair a pique, o desemprego a triplicar e com os maiores bancos do país falidos, os levantamentos em moeda estrangeira ficaram limitados: só eram permitidos a quem fosse viajar, mediante exibição do bilhete, ou a quem precisasse do dinheiro para bens essenciais, como alimentos e medicamentos.


Fonte: www.agenciafinanceira.iol.pt

2 comentários:

MLG disse...

Nessa matéria sobre o que o FMI fez no passado em alguns países, esqueceram do que aconteceu no Brasil.

Em resumo, o FMI empresta dinheiro para o país, daí o país é obrigado a adotar uma série de leis loucas que eles impõem.

No Brasil, foi o Plano Collor.
Eu vivi esse tempo, e posso dizer que foi um dos piores momentos econômicos que o Brasil já teve nos últimos 40 ou 50 anos.

Inflação atingiu 60% ao mês.
O desemprego passava de 25%, e só o governo demitiu mais de 350mil funcionários.
As aposentadorias, e o salários dos servidores públicos, atrasavam meses, causando greves e protestos.
Praticamente todos os programas sociais foram removidos, sem falar nos congelamentos e aumentos de impostos.

A merda toda explodiu, com medida mais radical, que foi O CONFISCO - Quando o governo confiscou todas as contas bancárias do país, para levantar dinheiro para pagar o FMI.

Isso gerou uma mini-guerra civil, agências bancarias foram destruídas, e o presidente foi derrubado.

As pessoas que foram vítimas do confisco, estão até hoje tentando reaver na justiça o que perderam, mas sem exito.

Os jornais as vezes dizem que o governo vai devolver, e bla, bla, bla, é tudo mentira, só pra gastarem dinheiro com advogados.

Muitos perderam economias de uma vida inteira.

E parece que em Portugal, vai repetir o filme, e vai acontecer tudo isso.

Pesquise "Plano Collor"

http://pt.wikipedia.org/wiki/Plano_Collor

R.O disse...

Obrigado MLG,

por acaso eu não sabia desses pormenores todos, Obrigado por partilhar, irei colocar essa informação na página :
www.realidadeoculta.com/fmi.html

mencionei uma vez que, o ex-presidente LULA da Silva, quando veio a Portugal, avisou que o FMI não ajudou em nada, que até prejudicou bastante..

aposto que em Portugal, o FMI vai fazer coisas semelhantes, temos que estar preparados para lutar contra essa escumalha..

abraço

 


Realidade Oculta -